A verdadeira história de Bathsheba Sherman,A Bruxa do Filme The Conjuring

A verdadeira história de Bathsheba Sherman, a bruxa do filme The Conjuring

A leitora Isabelle Fontaynes me pediu (há muito tempo) um post sobre Bathsheba Sherman, a bruxa que dizem ter assombrado a fazenda Arnold e a família Perron, no caso de assombração que ficou conhecido depois do filme The Conjuring. Então, aproveitando a estréia de Annabelle, filme sequencia de The Conjuring nos cinemas, eis o post prometido. Conheçam a verdadeira Bathsheba Sherman, a bruxa de Harrisville:

Há muitas histórias sobre Bathsheba pela internet. Desde mãe dedicada à bruxa sanguinária, Bathsheba ganhou fama de adoradora de Capirotos depois do filme The Conjuring. Mas será que todos esses boatos e histórias são verdadeiras?
CLIQUE EM 


Em uma das histórias contadas, Bathsheba teria nascido em 1812, e seria parente de Mary Towne Eastey, uma das mulheres executadas por bruxaria em Salém, em 1692. Em 1863, ela teria se casado com Judson Sherman, um rico fazendeiro. Ambos se mudaram para a fazenda Arnold e ela teria dado à luz pouco tempo depois. Após completar uma semana do parto, o marido supostamente pegou Bathsheba sacrificando o próprio filho em nome do próprio Diabo. Logo após, Bathsheba subiu em uma das árvores da propriedade e acredita-se que ela teria se enforcado enquanto proclamava sua adoração ao Sete Pele. Logo depois disso, a propriedade ganhou fama de "amaldiçoada".

Outras menos explícita contam que na verdade, Bathsheba e Judson tiveram muitos filhos, mas que uma das crianças - mais precisamente o mais novo, ainda bebê - teria sido encontrado morto, com uma agulha de trico enfiada em seu crânio. Na verdade não há um consenso quanto à que família a criança pertencia. Alguns dizem que o bebê era, na verdade, um dos filhos de um dos vizinhos, a quem Bathsheba prestava serviços de babá, enquanto outros afirmam que a criança era filho da jovem. Bathsheba fora então, acusada da morte da criança, e posteriormente julgada. Muitos locais então, passaram a espalhar boatos de que a morte do bebê fora um sacrifício ao Capiroto. Não havendo provas de que a morte da criança teria sido causada pela jovem, tampouco que Bathsheba estava de fato envolvida com bruxaria, ela fora inocentada, mas as difamações e boatos custaram-lhe a alegria. Bathsheba, conta-se, era muito bonita e muitas das mulheres locais cobiçavam-lhe a beleza, e essa inveja pode ter sido responsável pelos rumores. Bathsheba tornou-se então, uma mulher muito amargurada e passou a tratar mal os funcionários da fazenda, incluindo com tortura física. Diferentemente da primeira história, Bathsheba não teria se enforcado; a história conta que a mulher viveu até os 76 anos, quando sofreu um estranho caso de paralisia que os médicos da época simplesmente desconheciam. Seu corpo ficou tão enrijecido que parecia ter se transformado em pedra. Esta estranha morte só alimentou mais os rumores de bruxaria envolvendo Bathsheba.

A casa da fazenda Sherman.

Você deve estar se perguntando: "Tia Metzger, afinal qual das duas histórias é a real?" Nenhuma. A bibliografia de Bathsheba é bem menos interessante e assustadora do que se imaginava.

De acordo com o site Dreaming Casually, cujo a autora fez uma longa pesquisa sobre a vida de Bathsheba, a jovem foi apenas uma dona de casa ordinária.

Ela realmente teria nascido em 1812, filha de Efraim Thayer e sua segunda esposa Hannah Taft. Seu nome seria uma homenagem à primeira esposa do pai, que também se chamava Bathsheba. A jovem teria se casado muito tarde, com cerca de 30 anos, com Judson Sherman, com quem teve 4 filhos. A primeira mentira contada sobre Bathsheba diz respeito à fazenda onde morou com o marido. Na época, as fazendas eram nomeadas com o sobrenome das famílias a quem pertenciam. A fazenda onde Bathsheba e o marido viveram chamava-se, portanto Sherman, e ficava à sudeste da propriedade dos Arnold. Infelizmente 3 das crianças do casal morreram muito jovens, o que, pra época era algo comum devido às doenças e até mesmo à idade da moça. Seu único filho sobrevivente Herbert Leander Sherman nasceu março de 1849 e há registros do garoto nos censos dos anos 1850, 1860, 1870 e 1880, provando que Herbert não só estava vivo, como também vivia com os pais e, mais tarde com a esposa e filhos.

Mapa das fazendas.

Não há qualquer registro de uma criança que teria morrido empalado no crânio com uma agulha de tricô ou qualquer outra forma semelhante. Também não há registros de quaisquer mortes estranhas ou alegadas irregulares de qualquer tipo. Os três filhos de Bathsheba mortos ainda criança, além do marido Judson Sherman estão enterrados ao lado do túmulo da mulher no cemitério histórico de Harrisville. Bathsheba 

Lápide de Bathsheba.
também não teria se enforcado, nem "virado pedra". Sua morte ocorreu devido a um acidente vascular cerebralem 25 de maio de 1885.

Agora faça uma pergunta a si mesmo: sabendo-se que a comunidade de Harrisville era uma comunidade estremamente cristã, se Bathsheba fosse mesmo uma bruxa, ou se houvesse o mínimo de rumores de que a mulher estivesse envolvida com magia, você realmente acredita que eles deixariam que a jovem fosse enterrada no cemitério, juntamente com a própria família? Aliás, o Reverendo AH Granger, o ministro da igreja batista a qual a família Sherman frequentava, não só elogiou Bathsheba, como também escreveu o obituário da mulher nos jornais quando ela morreu. Você acha que a igreja teria lhe dado um funeral ou mesmo mencionado seu nome no obituário do jornal, se de fato Bathsheba fosse envolvida com bruxaria? Não, Bathsheba não era uma bruxa, nem era uma assassina.

"Mas tia Metzger, então o filme The Conjuring é tudo mentira?"

Minha função aqui não é questionar ou desmentir ou descobrir farsas, apenas expor informações. Os fatos encontrados estão acima, cabe à você interpretá-las..
Compartilhar Google Plus

Autor Dimensão Medo

    Blogger Comentario
    Facebook Comentario

0 comentários:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial